Tag: ansiedade

Ex… … … Viciada????


Bom, O que posso dizer…
Estou bem sumida. Poderia dizer que estou muito ocupada e não deu tempo de entrar na net e blá blá blá…
A verdade é que eu estava com preguiça mesmo de colocar algo inteligente e legal aqui… Pensar às vezes dói!!! Rssrrsrs
Gosto de colocar coisas relevantes para mim e como nada tem acontecido eu fiquei meio longe…
Tenho uma novidade só.
Parei de fumar!
Sim Sim! Há exatos um mês e três dias eu parei.
Lembro de ter colocado algo aqui sobre percorrer os botecos nojentos na favela à noite num domingo em busca de cigarro como uma drogada e do quanto isso me incomodou.
Mas o estopim mesmo foi o fato de, depois de ter voltado do Rio de Janeiro eu simplesmente comecei a tossir e ficar mau. Com falta de ar, tosse, dor de cabeça, tosse, crise de rinite, tosse, bronquite e mais tosse.
Numa segunda, às 18hs fumei meu último cigarro no carro da minha carona… não comprei mais…
Aí passaram-se 3 dias e a minha crise de abstinência foi ficar lesada e com muito sono, não tive dor de cabeça nem tremedeira nem nada. Mas quando eu falo lesada, não é no sentido figurado, fiquei quase 3 dias me esforçando pra falar direito e pensar. Tudo estava em cÂmera lenta!!!
Depois do que vivi e do que reparei após os 3 dias, tenho algumas coisas a falar sobre vício…
Meu medo real é engordar mais ainda (aí fudeu!!!) Mas o que percebi, é que quando a ansiedade bate não são as substancias químicas que estão fazendo falta no meu corpo (pelo contrário!!! Fazia muito tempo que eu não respirava tão bem sem ter muco pra tudo quanto é lado!) o que faz falta é o hábito, a mania, a coisa que se faz. Por exemplo, eu mudei totalmente meus hábitos na hora de almoçar, sinto falta de algo na hora que desço do ônibus, o ato de depois de jantar ir lá fora no meu quintal e ascender um cigarro.
A sensação de falta de alguma coisa, não é bem o cigarro. Mas sim dos hábitos que vem junto com ele é muito grande e gera certa sensação de perda.
E aí vem a ansiedade.
Um dia desses minha amiga brigou comigo pois ela citou que eu comentei sobre 8 comidas diferentes que eu estava com vontade de comer.
Tudo ansiedade.
Pelo medo de engordar mais estou me policiando e percebendo estas vontades e essas fomes e tento controlá-las.
O mais engraçado é que me peguei fazendo uma coisa que não fazia desde os 14 anos, comecei a morder meus dedos quando a ansiedade aperta. Não até que ponto isso é bom ou isso é ruim.
O que sei, é que não abomino cigarro, não corro de quem está fumando, o cheiro me incomoda, mas é um incomodo sincero, pois começo a espirrar e minha garganta seca.
Vamos ver no que isso vai dar…

p.s. a pele não fica mais bonita porra nenhuma!!! Tô toda empipocada tá!!!!!

Anúncios

Ansiedade, consciência e afins

Estava pensando sobre o que escreveria. Geralmente escrevo sobre coisas que estão me afligindo.
Esses dias conversei com a Lígia sobre expectativa. Sobre parecer uma adolescente e esperar que as coisas aconteçam e que tudo se resolva logo (de preferência do jeito que a gente quer ;)).
Eu estava um pouco incomodada com a minha ansiedade. Eu sou uma pessoa extremamente ansiosa com as coisas e quando eu quero, enquanto não consigo eu não sossego.
Foi assim com meus esmaltes holográficos, com meu sapato de passarinho e tudo mais.
Uma coisa que ela disse e que foi muito interessante que a ansiedade é de mulher mesmo. Independente da idade principalmente quando o assunto é amor.
Ser mulher é muito legal.
De uns tempos pra cá eu, mais especificamente no começo do ano, eu tenho prestado mais atenção em mim como mulher mesmo. As vezes eu acho estranho e bizarro meus sentimentos, as vezes acho legal.
Sei que tenho cabeça de homem muitas vezes e em muitas situações da minha vida. Mas em outras eu me pego sendo “mulherzinha” , por vezes delicada, por vezes menina, por vezes mimada e muitas vezes emotiva.
Não acho ruim… fico feliz de saber que estou mais consciência do meu eu, do meu ser.
Uma pessoa que é uma montanha russa de emoções, que tem muitas qualidades e defeitos e tem muita consciência de si mesma. Talvez não total, mas bem elevada.