Mês: janeiro 2012

Porque se amar faz bem…


Este post pode parecer estranho. Mas se você não entender eu explico depois.
Eu tenho um estranho fascínio pelas mulheres. Gosto de olhar pra elas. Ver as suas curvas, o formato de seus corpos, se tem a bunda bonita ou não, gosto principalmente de observar o seu andar e sua atitude.
Como sabem (quem acompanha meu blog percebe que este é o grande espinho no meu sapato) estou bem incomodada com meu excesso de peso e às vezes isso mina bastante minha auto-estima. A eterna luta!
Pensando nisso entrei num tímido regime, nada radical, mas uma situação em que os excessos são brecados e estou em constante alerta. Com esses pensamentos boiando na cabeça (o que é mais saudável, menos calórico, somente um fio de azeite na salada, etc…etc…) desci hoje para o almoço, indo para o restaurante já munida de meu celmp3 e em meio ao Zouk e canto dos pássaros vem em minha direção uma moça. Foi rápido, mas estranhamente alguns momentos na minha vida, passam em câmera lenta tal qual em um filme em que a cena é um pouco paralisada para dar mais ênfase e drama à história. Ela veio em minha direção e passou por mim e nem percebeu minha existência, mas enquanto pra ela, eram apenas mais alguns passos em direção ao seu destino, pra mim foi como uma revelação.
Eu a avistei a uns 10 passos de mim e foi como se alguém tivesse pegado meu rosto e virado em sua direção.
Ela era gorda. Bem gorda! Sem exagero nenhum ela dava duas de mim. Mas era linda. Maravilhosa! Suas roupas em perfeita harmonia em tons de preto e cinza, uma maquiagem suave em sua pele extremamente branca, seus cabelos preto-azulados, dançavam como lindos bailarinos até sua grande cintura curvilínea (sim, ela tinha curvas!). O que mais me chamou a atenção foi o seu brilho. A dignidade e altivez que andava, e sua postura, sem nenhuma arrogância, de quem sabe que o seu lugar no mundo é de direito e que merece o melhor que o mundo tem a oferecer.
Em dez passos, foi como se uma voz dissesse pra mim; Olhe para ela, ela é uma mulher, ela é linda, ela é uma deusa, é uma sacerdotisa e ela é isso tudo independente do tamanho dela porque sabe o que é ser mulher.
Durante o almoço fiquei buscado em meus arquivos pessoais na cachola, se já havia visto uma mulher “bonita e gostosa” (aquela que a TV e a moda dizem “que é certo”) brilhar tanto quanto esta que cruzou o meu caminho.
Não achei.
A conclusão de tudo isso?
Não… eu não sou lésbica. Não tenho interesses sexuais em mulheres, mas eu sou uma confessa admiradora de mulheres, e gosto de observar como elas são fortes, filhas de Afrodite que com o amor e sexo conquistam o mundo e filhas de Diana, rebeldes e guerreiras sem medo da vida.
Não, também não sou feminista nem levanto bandeiras dizendo que somos superiores aos homens.
O que aprendi hoje, é mais uma lição sobre amor-próprio, o não-padrão e aceitação de si mesma.
Porque se eu vi, uma garota 2x maior que eu e a achei tão maravilhosa e a personificação de o quão bom é ser mulher, porque não posso me sentir assim também?

Anúncios

Desabafo…


Hoje eu voltei…
Acho que estive fora de mim tempo demais…
Temos atitudes inconscientes que nos levam a caminhos estranhos, muitas vezes árduos…
De uns dias pra cá… eu me senti. Eu senti o fogo de ser eu… o calor e a cor de ter minha vida e de ser eu mesma. Comecei a ser audaciosa e a fazer e dizer coisas que nunca disse ou fiz antes.
E percebi que dessas andanças em estradas escuras e frias, eu consegui algum proveito. A menina que agora virou uma mulher e se descobriu fêmea, forte, linda e capaz de conseguir muitas coisas para o seu bem e para o bem dos que estão a sua volta, voltou a viver.
A mudança não é tão perceptível por fora… mas foi algo muito grandioso por dentro!
Falando da atitude inconsciente, eu acho que minha mente (ou a minha alma) estava pedindo um tempo. Um momento de recolhimento para reflexão. Às vezes a casa de nossa alma fica bagunçada, e precisamos de um tempo para colocar tudo no lugar.
Eu não sei exatamente quando isso começou, se foi com uma decepção que tive, se foi estresse, crise dos 30…TPM atômica de longa duração…só sei que em dado momento eu o cortei meu cabelo. Aqui mesmo nesse blog eu contei o dia em que fui cortar e relendo hoje o post eu vejo o sinal do que estaria por vir.
Eu não sabia a importância brutal que meu cabelo tinha pra mim, escrevo o verbo no passado porque isso não me atinge tanto agora, é lógico que deixarei meu cabelo crescer novamente mas não é o fator mais importante do meu eu.
Depois disso, fui entrando em um torpor estranho, onde a vida era um filme e eu a expectadora que só assiste e não participa.
Me entreguei a dor. Me entreguei a solidão. Me entreguei a auto piedade e vitimismo. Me entreguei a preguiça. Me entreguei a gula.
Quando eu percebi, estava com 10 kg a mais, com crises de bronquite e travada. Parei de dançar, não fiz mais o curso de dança do ventre, parei com o zouk, não desenhei mais, e li somente um livro no ano inteiro.
Não sei se isso é depressão. O que eu sei é que recebi muitos sinais, durante esse tempo. Podemos dizer que é de Deus, de Alah, dos espíritos mentores, dos anjos, do universo. Eu prefiro chamar esse ser superior de Deusa. Ela sempre conversa comigo de formas muito sutis. Me mostra caminhos lindos e também tortuosos.
Fico grata e orgulhosa de mim mesma de ser inteligente o bastante de absorver isso e parar pra pensar.
Hoje o sinal foi o mais maravilhoso de todos. Um sinal de bem-vinda de volta a vida!
Resolvi voltar à dança do Ventre mesmo se achando acima do peso demais pra isso. Saindo de lá, um arco-íris estava bem na minha frente, entre o sol e a chuva. O arco-íris maior e mais bonito que eu já vi!
Agradeci .
Hoje eu sou fogo. Fogo e pura luz. E como toda pessoa que tem a chama sagrada dentro de si, quero me movimentar, quero coisas e pessoas e conquistas.
Vou mudar de emprego, vou emagrecer o quanto eu puder e no tempo que for melhor pra mim. Vou me apresentar na formatura de dança, vou fazer outro curso de dança (Pole Dance..aí vou eeeeuuuu!!!), vou estudar…vou amar…
Por falar nisso… Já são 6 anos né? Inegável que não conseguimos ficar longe um do outro entre brigas, conversas, sarros, sexo, exclusões e tantos mimimis…mesmo assim não conseguimos nunca ficar um longe do outro né… mesmo quando brigamos e paramos de nos falar (e não foi só uma vez) ainda sim estamos secretamente um olhando para o outro…você me chama, pensa em mim, eu sonho com você, te ligo. Acontece algo entre nós que nem sabemos exatamente o que é. Mas sabe o que eu mais gostei? É acontecer exatamente o que eu disse aqui, no entanto, meus sentimentos são diferentes do que eu previa. Independente da situação, você é meu e eu sou sua, o quê (amigos, amantes, alma-gêmea, step, fodinha-amiga, nada), eu ainda não sei mas podemos descobrir. Eu sou paciente.
Por enquanto eu estou aproveitando este momento-luz da minha vida e vou brilhar por aí.
Viver é bom… viver sem medo é melhor ainda!!!

Porque a estrada é grande… e a vida vale a pena!!!!


Esses dias tenho pensado um pouco sobre a morte.
Quase entrei numa crise de pânico e depressão.
Fiquei pensando… E se a morte me aparecesse Bela e Terrível estendendo suas negras mãos de escuridão e nada para me buscar. E se nesse momento ela fosse benevolente(há!) e me desse mais um tempo antes de me levar?
O que eu faria?
O que eu mudaria? Do que me arrependeria?
Iria chorar pelos beijos não dados? Pelas pessoas que deixei pra trás por medo, vergonha ou arrogância?
Me repreenderia por não ter dito às pessoas que eu amo, que eu amo, o quanto elas eram importantes pra mim? (bem clichê)…
Iria me arrepender por ter tido preguiça de fazer coisas, de brigar com quem merecia, por ter chorado demais por pessoas que não valiam a pena? Ou por não ter derramado uma lágrima quando o momento era o certo?
O que eu fiz de certo? O que eu fiz de errado?
Existe certo ou errado?
São muitas perguntas… Fiquei com estes questionamentos na cabeça…
Resolvi que vou viver… com menos medo possível conduzindo a minha vida… com mais amor e lucidez.
Eu gostei dessa sensação de liberdade.
Lamentar é para os fracos. Vou deixar o passado pra trás e viver …a estrada é grande e tenho muita coisa pra fazer!!!!!

Porque o não nós já temos…


Hoje foi um dia interessante…
Várias situações me levaram a meditar mais sobre relacionamentos.
Várias visões diferentes sobre o assunto me foi apresentada e não achei nenhuma delas erradas.
Hoje li sobre a visão de Deus para o amor e casamento, muito interessante o autor falar de um sonho que teve que retrata exatamente como a sociedade age hoje. Daril fala em seu post Feira da Solidão sobre a banalização dos relacionamentos, onde as pessoas têm uma visão vazia de amor e que isso as torna infeliz. Fala também sobre precisarmos de Cia.
Já no blog Cem Homens, a autora fala num post/desabafo sobre como teve uma crise depressiva e de como se decepcionou em perceber que seu amado não se importou e desapareceu no momento em que ela mais precisava, mas ao mesmo tempo ela afirma que não precisa de homem nenhum em uma de suas respostas a um comentário (um pouco contraditório mas quem não é?).
Hoje uma amiga me contou muito empolgada que está de affair com um bofe tudo de bom, ela brilhava enquanto me contava, uma pena que esse brilho não me chamuscou nem um pouquinho… num momento idiota meu, até joguei um pouco de poeira nesse brilho dizendo pra ter cuidado pra não se machucar.
Ai vem a lição importante, ela veio de um término de casamento muito sofrido, depois disso um namoro decepcionante (com direito a tapas e ofensas) e ela me disse o seguinte…”Eu não posso pensar no passado, eu começo tudo zerada. Se eu for pensar no que já aconteceu não deixo nada entrar na minha vida, o importante é deixar a oportunidade entrar na sua vida, o não você já tem, mas se você não tentar, você vai ter esse não para sempre! Abre seu coração e você vai ver que sua vida vai mudar!”
Pensei em tudo o que já passei, percebi que desisti. Cansei.
Eu já soube o que é sentir o que ela está sentindo neste momento. Mas no fim, pelo menos pra mim, o que prevaleceu foram as dores.
Não sei se estou disposta a ter mais cicatrizes.