Mês: junho 2011

Tipos de resignação…..

Nem sempre as coisas são do jeito que a gente deseja.
Às vezes a gente passa meses desejando alguma coisa e no final das contas não era mesmo pra ser nosso.
Estou aprendendo a lidar com isso. Aprendendo a parar de ser mimada e esperar que tudo a minha volta, desde um sapato até um evento aconteça exatamente do jeito que espero.
Isso se chama aceitação e resignação. De uns dois anos pra cá, tem acontecido coisas na minha vida que eu não esperava que acontecesse, algumas ocorreram exatamente como eu esperava e outras saíram totalmente do controle e desisti.
Deste último, ficou a lição de aprender a lidar com a frustração e focar em coisas que realmente são importantes.
Resignação. Essa é uma palavra e uma filosofia interessante e perigosa. Porque uma pessoa resignada demais pode se tornar uma vítima de si mesma e até mesmo acomodada.
Por exemplo, uma garota quer “aquele rapaz” para viver um grande amor, porém, este rapaz não se interessa por essa garota. Nesse caso existe duas situações que só vai depender dela.
Ela pode chorar e lamentar e se resignar em não ter aquele rapaz e em não viver mais um grande amor.
Ou ela pode mudar o foco. Ela pode se resignar em não ter mais aquele rapaz, mas ela ainda pode focar em viver um grande amor.
Um tese interessante…..

Anúncios

Nada muito sério….

Um feriado prolongado sem muitos acontecimentos, somente um casamento de uma amiga do trabalho, muita cerveja(tô bebendo desde quinta!!!!) e uma queda de pressão. Até que nesta semana eu não tenho nenhuma questão mexicanística pra contar ou algum assunto que está me afligindo. Somente o fato de que ainda resolvi seguir o conselho da minha amiga Cinthia e me cuidar mais, tanto fisicamente quanto psicologicamente… Tá dando certo…

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ansiedade, consciência e afins

Estava pensando sobre o que escreveria. Geralmente escrevo sobre coisas que estão me afligindo.
Esses dias conversei com a Lígia sobre expectativa. Sobre parecer uma adolescente e esperar que as coisas aconteçam e que tudo se resolva logo (de preferência do jeito que a gente quer ;)).
Eu estava um pouco incomodada com a minha ansiedade. Eu sou uma pessoa extremamente ansiosa com as coisas e quando eu quero, enquanto não consigo eu não sossego.
Foi assim com meus esmaltes holográficos, com meu sapato de passarinho e tudo mais.
Uma coisa que ela disse e que foi muito interessante que a ansiedade é de mulher mesmo. Independente da idade principalmente quando o assunto é amor.
Ser mulher é muito legal.
De uns tempos pra cá eu, mais especificamente no começo do ano, eu tenho prestado mais atenção em mim como mulher mesmo. As vezes eu acho estranho e bizarro meus sentimentos, as vezes acho legal.
Sei que tenho cabeça de homem muitas vezes e em muitas situações da minha vida. Mas em outras eu me pego sendo “mulherzinha” , por vezes delicada, por vezes menina, por vezes mimada e muitas vezes emotiva.
Não acho ruim… fico feliz de saber que estou mais consciência do meu eu, do meu ser.
Uma pessoa que é uma montanha russa de emoções, que tem muitas qualidades e defeitos e tem muita consciência de si mesma. Talvez não total, mas bem elevada.

Danças, reencontros, química e conselhos

Eu sempre vou exaltar aqui o quanto sou sortuda por conhecer apenas pessoas maravilhosas que sempre me ensinam, me ajudam, brigam comigo e sempre estão ali. Sempre.
Semana passada minha amiga do trabalho (a mesma que disse eu era verdadeira demais) chegou na minha mesa, sentou pra conversar e me perguntou se estava tudo bem. Eu disse que sim, só que estava um pouco desanimada com tudo e com todos.
Ela disse que percebeu pelo (ela é sempre muito delicada) meu jeito de me vestir e meu cabelo, eu estava “mais simples” “Mais relaxada e malafanhada você quer dizer né?” ela riu…
Ai ela disse que quando se sente assim, o que ela faz pra melhorar é se emperequetar mais, sair e cuidar mais de si.
Fiquei pensando…
No sábado resolvi ter um dia de Princess… Tudo o que uma mulher pode fazer para cuidar da beleza nesse dia eu fiz… Cabelo, unhas, depilação, hidratação de tudo, arrumei meus lindos sapatos, minhas roupas… num é que melhorou??? Mas ainda assim eu fiquei um tantinho vazia…
Mais tarde meu irmão decidiu sair pro Zouk e eu fui junto… Sem muitas pretensões…
Lá estava eu olhando os casais dançarem quando um rapaz bate no meu ombro e diz… “ei moça! Eu conheço você!”…Arregalei os olhos…
Meu professor de Zouk de 13 anos atrás apareceu do nada! Eu fiquei muito feliz! Dancei com ele como não dançava há muitos anos! Tudo bem que dei uma cotovelada na cara dele mas foi de empolgação! 😛
Com ele acontece o que eu chamo de “química de dança”… Simplesmente a coisa acontece, os passos, giros, jogadas e tudo mais fluem naturalmente sem ter que fazer força ou pensar demais. Ele simplesmente me pega {e ele pega gostoso viu!?!? ¬¬} e a coisa vai…
Ele me trouxe uma sensação diferente. Junto com ele veio aquele frescor, aquela sensação de quando eu tinha 16 anos e que a vida era muito fácil e muito alegre e cheia de perspectiva. Eu adorei isso!!!!
Adorei ter seguido os conselhos da minha amiga!!! Muito Obrigada Ci!!!!! Valeu mesmo!
Tutibom!!!!!!